terça-feira, 10 de janeiro de 2012

#poesi A.A

Os caminhos minha menina são cheios de buracos.
Todos eles, não se engane.
A pedra que você vê a tua frente é tua amiga.
Sim, eu me finjo de morto para não ser devorado pelas cobras.
Cobras-demônios, daquelas que achamos facilmente em árvores de pecado.
São Adão você existe?
Santa Eva você existe?
Parte de mim tem um Adão, uma Eva e um Deus violento, que manda matar em Páscoa.
Um Deus que não perdoa. Que tem Raiva.
Vamos caminhar no Hawai menina?
Vamos deixar de existir?
Lá eu te comprarei um belo de um vestido preto para ser jogado em alto-mar.
Os tubarões irão ficar satisfeitos. Comerão até os ossos.
Final de tarde melancoólico.
A sua vida corre perigo mas você não sabe.
Iludida com a onda: eu quero é zuar porra !
A decisão chega tarde.
Estou te avisando, sou o Deus dos incompreendidos.
E no canto esquerdo da carta eu digo que você resolveu conhecer a outra dimensão.
Vá em paz !