sábado, 4 de setembro de 2010

APENAS UM SORRISO

Me ensina a sorrir

pra eu não ir pro inferno

que está dentro de mim.

O suor do teu rosto escorre,

sofrego em teus pés,

terra que nos escuta o coração,

bate forte.

Vai me dê um abraço,

descompasso a vida

e sofro calado.

Onde estão os deuses do Olympo?

Mentkafta, deus da autoestima?

Imagina.

Me ensina a sorrir,

pra eu não me matar,

o que há de ouro em mim?

Em Minas (me ensina a sorrir),

as pedras falam comigo,

as pedras "libertas quae sera tamen"

das ruas de Ouro Preto.

Fico ali parado no meio da rua Direita.

Escuto:

"Sons psicodélicos, evangélicos jamais.

Quero o Itacolomi aqui,

pra ver se é capaz de sorrir

e ir embora daqui com a vida debaixo do abraço."