domingo, 11 de maio de 2014

YASHODA

Sim.
A chuva me deixou dormir.
A voz forte da minha mãe me  acordou.
____Vem filho, o café tá na mesa.
Eu preciso aprender a doar carinho como Emília.
Não importa se o filho é um cachorro, um gato...
Deus ama a todos sem distinção.
A mãe tem suas preferências, pois cada um é diferente do outro.
Não dá pra ser igual.

Faz um frio de aconchego.
Lembro bem das histórias que me contava,
das canções de ninar...
As mamãezinhas de hoje são tão apresadas.
Mal ferve o leite e tem que ir trabalhar.
Não é fácil.
Creche. Trabalho. Creche.

Bom, vamos passear um pouco.
Hoje é o seu dia. Aonde você quer ir?

____Filho, eu prefiro ficar em casa. Quero te sentir em meu ninho.
Pode trazer os netinhos.
Farei pipoca e um carinho daqueles.



Em homenagem a todas as Mães da Terra.
Em especial para Celisa Costa Pinto Cavalcante